NASA 05

Projeto John F. Kennedy: "Missão ENTERPRISE"

Página 5 

A constelação de Orion, de acordo com a maioria dos mitologistas egípcios (ver "Osiris & The Resurrection egípcia," EA Wallis Budge, 1911), representada no céu como a figura central do panteão egípcio dos deuses - o deus da "ressurreição" - reverenciado pelos antigos egípcios como "Osiris".

Um trabalho anterior (Badawy e Trimble, 1965), bem como os próprios refinamentos de Bauval, também demonstrou que passagens internas-chave dentro da própria Grande Pirâmide aponta diretamente em direção a "Osiris" no céu (veja inferior direito). . . em direção das estrelas do cinturão de Orion. 

Outras ligações astronômicas calculadas por Bauval (e aparentemente confirmadas por medições "robóticos" feitas em 1993, dentro da própria pirâmide) também ligam diretamente com os monumentos de Gizé, especialmente a Grande Pirâmide e Sphinx, para estrelas específicas adicionais, e duas constelações cruciais : o "estrela do cão", conhecida como "Sirius", (na constelação, "Cão Maior"); e para o conjunto "felino", "Leão."

Surpreendentemente, esses alinhamentos celestes adicionais - como Orion, ficam mais significativos quando aparecem, quer diretamente no centro do céu (no "meridiano"), ou no nascer ou pôr do Sol no horizonte (abaixo, à direita) - convergem para o mesmo  período de tempo 10.500 aC.

S

 

Sirius, juntamente com Orion / Osíris era, é claro, no coração de não só o sistema mitológico egípcio - no triunvirato "Isis, Osíris, Hórus" - foi, literalmente, no coração de todo o sistema de calendário do antigo Egito; o "helicoidal" elevação de Sirius no horizonte (veja à esquerda), pouco antes do nascer do sol (coincidente com o nascer do Nilo, no dilúvio), foi uma importante coincidência celestial, que governou (pormilhares de anos), a vida  física e espiritual dos todos Egípsios que viviam ao longo do Nilo. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PÁGINA ANTERIOR | PRÓXIMA PÁGINA |